Aprenda a tirar partido dos seios grandes ou pequenos

Muito seio
Dizem por aí que a moda dos implantes de silicone mudou a modelagem brasileira. Verdade ou exagero, o fato é que ter seios fartos, hoje em dia, é até desejável, ao contrário de alguns anos atrás, quando ter muito peito no Brasil era considerado um pouco vulgar. Tínhamos mais operações de redução do que de implante de seios. Entre as celebridades, existem muitas mulheres que se orgulham de seus peitos grandes, como é o caso de Pamela Anderson, que desfilou para a estilista inglesa Vivienne Westwood na última semana de moda em Paris. Mas, no dia-a-dia, conviver com peitos grandes não é fácil. Ou você coloca uma roupa larga, que te deixa à vontade, mas faz você parecer um pouco acima do peso, ou veste um top colante e decotado que expõe demais seus “atributos”. Para ajudá-la a se sentir bonita sem parecer vulgar, experimente algumas dicas da coluna.

Primeira providência: um bom sutiã

No Brasil, não é fácil comprar um bom sutiã. Quem tem peito grande sabe disso. Mas, procurando bastante e experimentando com calma, a gente pode achar bons modelos. Entre as grandes marcas, os sutiãs para tamanhos maiores normalmente estão nas linhas “Classic”. Não existe grande variedade, nem muitas cores, é verdade, mas já é possível encontrar modelos bem bonitos, de renda ou mesmo lisos. Cuidado com as peças de renda, principalmente nas malhas, porque marcam um pouco. Quando escolher um modelo, prefira os que têm alças largas, pois não machucam tanto. As laterais também devem ser largas, pois definem melhor a silhueta. Os seios devem ficar para frente, altos e firmes, e não devem ficar balançando (não, não é sexy). Repare também se não está se esforçando para caber dentro de uma numeração menor. Mesmo que em um primeiro momento ele pareça muito grande, o sutiã não deve estar apertado. Saiba que as marcas já produzem peças com variações entre a circunferência abaixo do seio e as taças, possibilitando melhor conforto e mais variedade. Se encontrar um modelo bom e tiver com uma grana, aproveite: compre vários e de todas as cores.

Evite tudo que for muito fechado

As camisas devem estar sempre um pouco abertas. Procure sutiãs bonitos para que, se você for sair à noite, possa abrir um pouquinho mais sua blusa e deixar sua lingerie um pouco aparente. Um pouco só. Gola rulê ou alta é perigoso, principalmente aliada à cava americana. Gola padre, malha canelada e babados na parte superior do corpo, também não favorecem.

Como o cetim marca bastante, é um tecido que fica bem nas meninas com menos seio

O melhor são os decotes em “V” e suas variações até o “U” profundo e com mangas ¾, que trazem elegância para o look. Outra variação é o “cache-coeur”, aquela peça que tem um transpasse na altura do busto, como as roupas de bailarina. As sobreposições lisas, por exemplo, de cardigã escuro sobre blusa mais clara, dão uma alongada no visual, favorecendo a silhueta. Os colares compridos também, desde que em uma altura em que não fiquem balançando muito. Evite peças muito largas, pois engordam, e prefira silhuetas mais próximas ao corpo, sem apertar. A bata, que é justa sob o peito, funciona. Para os maiôs e biquínis, experimente os modelos frente única, ficam bem bacanas em quem tem mais seio. E não se esqueça: valorize o “material”.

E as mais retinhas?

Para as mais retinhas, o ideal é aproveitar para ousar nos decotes que deixam entrever os seios, com volumes como drapeados, franzidos, babados e jabôs – que estão bem na moda. As golas altas e rulês, com cava americana, ficam lindas, assim como os colares compridos. Inspire-se em musas como Twiggy e em silhuetas como as dos anos 20, retas como tubinhos e tailleurs curtos. Use malha grossa, de pontos grandes, e camisa fechada para dentro da calça. Boleros, casacos curtos e coletes ficam muito bem. Um look mais masculino pode ficar bem sexy, com smoking e gravata.

Não se esqueça do sutiã

Para criar mais volume ou para variar, existem os sutiãs “push up” que aproximam e levantam o busto. Existem também opções com enchimentos, para quem quiser brincar um pouquinho. Mas a liberdade de poder ficar sem sutiã é o máximo. Frente única, bustier e transparências foram feitas pra você.

Anúncios

Aprenda a tirar partido dos seios grandes ou pequenos

Muito seio
Dizem por aí que a moda dos implantes de silicone mudou a modelagem brasileira. Verdade ou exagero, o fato é que ter seios fartos, hoje em dia, é até desejável, ao contrário de alguns anos atrás, quando ter muito peito no Brasil era considerado um pouco vulgar. Tínhamos mais operações de redução do que de implante de seios. Entre as celebridades, existem muitas mulheres que se orgulham de seus peitos grandes, como é o caso de Pamela Anderson, que desfilou para a estilista inglesa Vivienne Westwood na última semana de moda em Paris. Mas, no dia-a-dia, conviver com peitos grandes não é fácil. Ou você coloca uma roupa larga, que te deixa à vontade, mas faz você parecer um pouco acima do peso, ou veste um top colante e decotado que expõe demais seus “atributos”. Para ajudá-la a se sentir bonita sem parecer vulgar, experimente algumas dicas da coluna.

Primeira providência: um bom sutiã

No Brasil, não é fácil comprar um bom sutiã. Quem tem peito grande sabe disso. Mas, procurando bastante e experimentando com calma, a gente pode achar bons modelos. Entre as grandes marcas, os sutiãs para tamanhos maiores normalmente estão nas linhas “Classic”. Não existe grande variedade, nem muitas cores, é verdade, mas já é possível encontrar modelos bem bonitos, de renda ou mesmo lisos. Cuidado com as peças de renda, principalmente nas malhas, porque marcam um pouco. Quando escolher um modelo, prefira os que têm alças largas, pois não machucam tanto. As laterais também devem ser largas, pois definem melhor a silhueta. Os seios devem ficar para frente, altos e firmes, e não devem ficar balançando (não, não é sexy). Repare também se não está se esforçando para caber dentro de uma numeração menor. Mesmo que em um primeiro momento ele pareça muito grande, o sutiã não deve estar apertado. Saiba que as marcas já produzem peças com variações entre a circunferência abaixo do seio e as taças, possibilitando melhor conforto e mais variedade. Se encontrar um modelo bom e tiver com uma grana, aproveite: compre vários e de todas as cores.

Evite tudo que for muito fechado

As camisas devem estar sempre um pouco abertas. Procure sutiãs bonitos para que, se você for sair à noite, possa abrir um pouquinho mais sua blusa e deixar sua lingerie um pouco aparente. Um pouco só. Gola rulê ou alta é perigoso, principalmente aliada à cava americana. Gola padre, malha canelada e babados na parte superior do corpo, também não favorecem.

Como o cetim marca bastante, é um tecido que fica bem nas meninas com menos seio

O melhor são os decotes em “V” e suas variações até o “U” profundo e com mangas ¾, que trazem elegância para o look. Outra variação é o “cache-coeur”, aquela peça que tem um transpasse na altura do busto, como as roupas de bailarina. As sobreposições lisas, por exemplo, de cardigã escuro sobre blusa mais clara, dão uma alongada no visual, favorecendo a silhueta. Os colares compridos também, desde que em uma altura em que não fiquem balançando muito. Evite peças muito largas, pois engordam, e prefira silhuetas mais próximas ao corpo, sem apertar. A bata, que é justa sob o peito, funciona. Para os maiôs e biquínis, experimente os modelos frente única, ficam bem bacanas em quem tem mais seio. E não se esqueça: valorize o “material”.

E as mais retinhas?

Para as mais retinhas, o ideal é aproveitar para ousar nos decotes que deixam entrever os seios, com volumes como drapeados, franzidos, babados e jabôs – que estão bem na moda. As golas altas e rulês, com cava americana, ficam lindas, assim como os colares compridos. Inspire-se em musas como Twiggy e em silhuetas como as dos anos 20, retas como tubinhos e tailleurs curtos. Use malha grossa, de pontos grandes, e camisa fechada para dentro da calça. Boleros, casacos curtos e coletes ficam muito bem. Um look mais masculino pode ficar bem sexy, com smoking e gravata.

Não se esqueça do sutiã

Para criar mais volume ou para variar, existem os sutiãs “push up” que aproximam e levantam o busto. Existem também opções com enchimentos, para quem quiser brincar um pouquinho. Mas a liberdade de poder ficar sem sutiã é o máximo. Frente única, bustier e transparências foram feitas pra você.

Aprenda a tirar partido dos seios grandes ou pequenos

Muito seio
Dizem por aí que a moda dos implantes de silicone mudou a modelagem brasileira. Verdade ou exagero, o fato é que ter seios fartos, hoje em dia, é até desejável, ao contrário de alguns anos atrás, quando ter muito peito no Brasil era considerado um pouco vulgar. Tínhamos mais operações de redução do que de implante de seios. Entre as celebridades, existem muitas mulheres que se orgulham de seus peitos grandes, como é o caso de Pamela Anderson, que desfilou para a estilista inglesa Vivienne Westwood na última semana de moda em Paris. Mas, no dia-a-dia, conviver com peitos grandes não é fácil. Ou você coloca uma roupa larga, que te deixa à vontade, mas faz você parecer um pouco acima do peso, ou veste um top colante e decotado que expõe demais seus “atributos”. Para ajudá-la a se sentir bonita sem parecer vulgar, experimente algumas dicas da coluna.

Primeira providência: um bom sutiã

No Brasil, não é fácil comprar um bom sutiã. Quem tem peito grande sabe disso. Mas, procurando bastante e experimentando com calma, a gente pode achar bons modelos. Entre as grandes marcas, os sutiãs para tamanhos maiores normalmente estão nas linhas “Classic”. Não existe grande variedade, nem muitas cores, é verdade, mas já é possível encontrar modelos bem bonitos, de renda ou mesmo lisos. Cuidado com as peças de renda, principalmente nas malhas, porque marcam um pouco. Quando escolher um modelo, prefira os que têm alças largas, pois não machucam tanto. As laterais também devem ser largas, pois definem melhor a silhueta. Os seios devem ficar para frente, altos e firmes, e não devem ficar balançando (não, não é sexy). Repare também se não está se esforçando para caber dentro de uma numeração menor. Mesmo que em um primeiro momento ele pareça muito grande, o sutiã não deve estar apertado. Saiba que as marcas já produzem peças com variações entre a circunferência abaixo do seio e as taças, possibilitando melhor conforto e mais variedade. Se encontrar um modelo bom e tiver com uma grana, aproveite: compre vários e de todas as cores.

Evite tudo que for muito fechado

As camisas devem estar sempre um pouco abertas. Procure sutiãs bonitos para que, se você for sair à noite, possa abrir um pouquinho mais sua blusa e deixar sua lingerie um pouco aparente. Um pouco só. Gola rulê ou alta é perigoso, principalmente aliada à cava americana. Gola padre, malha canelada e babados na parte superior do corpo, também não favorecem.

Como o cetim marca bastante, é um tecido que fica bem nas meninas com menos seio

O melhor são os decotes em “V” e suas variações até o “U” profundo e com mangas ¾, que trazem elegância para o look. Outra variação é o “cache-coeur”, aquela peça que tem um transpasse na altura do busto, como as roupas de bailarina. As sobreposições lisas, por exemplo, de cardigã escuro sobre blusa mais clara, dão uma alongada no visual, favorecendo a silhueta. Os colares compridos também, desde que em uma altura em que não fiquem balançando muito. Evite peças muito largas, pois engordam, e prefira silhuetas mais próximas ao corpo, sem apertar. A bata, que é justa sob o peito, funciona. Para os maiôs e biquínis, experimente os modelos frente única, ficam bem bacanas em quem tem mais seio. E não se esqueça: valorize o “material”.

E as mais retinhas?

Para as mais retinhas, o ideal é aproveitar para ousar nos decotes que deixam entrever os seios, com volumes como drapeados, franzidos, babados e jabôs – que estão bem na moda. As golas altas e rulês, com cava americana, ficam lindas, assim como os colares compridos. Inspire-se em musas como Twiggy e em silhuetas como as dos anos 20, retas como tubinhos e tailleurs curtos. Use malha grossa, de pontos grandes, e camisa fechada para dentro da calça. Boleros, casacos curtos e coletes ficam muito bem. Um look mais masculino pode ficar bem sexy, com smoking e gravata.

Não se esqueça do sutiã

Para criar mais volume ou para variar, existem os sutiãs “push up” que aproximam e levantam o busto. Existem também opções com enchimentos, para quem quiser brincar um pouquinho. Mas a liberdade de poder ficar sem sutiã é o máximo. Frente única, bustier e transparências foram feitas pra você.

Truques e tratamentos para os cabelos!!!

O cabelo não cresce
Causa:

A alimentação é uma das principais suspeitas. O corpo privilegia o funcionamento dos órgãos vitais e só depois se preocupa em utilizar os nutrientes para ‘fabricar’ o cabelo, explica o dermatologista Valcinir Bedin, de São Paulo.
Salvação:

Não se engane: os xampus que dizem acelerar o crescimento não cumprem a promessa. ‘Já os suplementos com vitaminas são eficazes’, diz Ademir Jr., tricologista (médico especializado em cabelos), de São Paulo.
Previna:

Garanta o desenvolvimento dos fios com uma alimentação rica em vitamina A (fígado, leite e cenoura), vitamina C (laranja, acerola e mexerica), E (leite, abacate e ovo) e zinco (carnes).

Pontas duplas
Causa:

A bifurcação entrega o desgaste e o enfraquecimento do fio causado pelas agressões externas, como químicas e sol sem proteção’, explica a cabeleireira Denise Machado.
Salvação:

Algumas gotas de silicone selam as pontas temporariamente. Mas para eliminá-las, o jeito é recorrer à tesoura a fim de evitar que a fissura aumente e se estenda fio acima.
Previna:

Corte as pontinhas a cada dois meses e hidrate os cabelos frequentemente – principalmente se você tem alguma química. Sob o sol, aplique um leave-in com filtro solar e use chapéu ou boné.
Fios em queda livre
Causa:

Os motivos vão desde desequilíbrios hormonais a estresse. Maus-tratos, como lavar a cabeça com água muito quente, escovação excessiva e químicas também podem levar à queda.
Salvação:

Experimente mudar a temperatura da água, o xampu e diminuir o ritmo no trabalho. Mas se continuar perdendo mais de 100 fios por dia, procure um médico. Com o diagnóstico, é possível combater a causa.
Previna:

Procure seguir uma alimentação equilibrada e praticar alguma atividade física para combater o estresse. Não extrapole na química nem na força na hora do estica-e-puxa da escova.

Oleosidade em excesso
Causa:

Geralmente, a produção demasiada de óleo tem componentes genéticos e hormonais. Água muito quente e produtos hidratantes na raiz pioram o quadro.
Salvação:

Evite lavar a cabeça com água escaldante e use xampus adstringentes (com frutas cítricas, hortelã ou menta), que retiram o óleo acumulado no couro cabeludo.
Previna:

Lave o cabelo no máximo uma vez ao dia e use xampus apropriados. Nunca aplique condicionador, máscaras, cremes e ampolas hidratantes perto da raiz.

Truques e tratamentos para os cabelos!!!

O cabelo não cresce
Causa:

A alimentação é uma das principais suspeitas. O corpo privilegia o funcionamento dos órgãos vitais e só depois se preocupa em utilizar os nutrientes para ‘fabricar’ o cabelo, explica o dermatologista Valcinir Bedin, de São Paulo.
Salvação:

Não se engane: os xampus que dizem acelerar o crescimento não cumprem a promessa. ‘Já os suplementos com vitaminas são eficazes’, diz Ademir Jr., tricologista (médico especializado em cabelos), de São Paulo.
Previna:

Garanta o desenvolvimento dos fios com uma alimentação rica em vitamina A (fígado, leite e cenoura), vitamina C (laranja, acerola e mexerica), E (leite, abacate e ovo) e zinco (carnes).

Pontas duplas
Causa:

A bifurcação entrega o desgaste e o enfraquecimento do fio causado pelas agressões externas, como químicas e sol sem proteção’, explica a cabeleireira Denise Machado.
Salvação:

Algumas gotas de silicone selam as pontas temporariamente. Mas para eliminá-las, o jeito é recorrer à tesoura a fim de evitar que a fissura aumente e se estenda fio acima.
Previna:

Corte as pontinhas a cada dois meses e hidrate os cabelos frequentemente – principalmente se você tem alguma química. Sob o sol, aplique um leave-in com filtro solar e use chapéu ou boné.
Fios em queda livre
Causa:

Os motivos vão desde desequilíbrios hormonais a estresse. Maus-tratos, como lavar a cabeça com água muito quente, escovação excessiva e químicas também podem levar à queda.
Salvação:

Experimente mudar a temperatura da água, o xampu e diminuir o ritmo no trabalho. Mas se continuar perdendo mais de 100 fios por dia, procure um médico. Com o diagnóstico, é possível combater a causa.
Previna:

Procure seguir uma alimentação equilibrada e praticar alguma atividade física para combater o estresse. Não extrapole na química nem na força na hora do estica-e-puxa da escova.

Oleosidade em excesso
Causa:

Geralmente, a produção demasiada de óleo tem componentes genéticos e hormonais. Água muito quente e produtos hidratantes na raiz pioram o quadro.
Salvação:

Evite lavar a cabeça com água escaldante e use xampus adstringentes (com frutas cítricas, hortelã ou menta), que retiram o óleo acumulado no couro cabeludo.
Previna:

Lave o cabelo no máximo uma vez ao dia e use xampus apropriados. Nunca aplique condicionador, máscaras, cremes e ampolas hidratantes perto da raiz.