Melissa para homem

Na nova coleção ‘Melissa et Circenses’ outono-inverno, a marca trouxe duas grandes novidades: a linha mini super fofa, e a masculina. Sim, masculina. São apenas duas peças, uma com um estilão sapato-social, porém com o conforto do plástico característico da marca e outro parecido com um dockside, numa versão mais jovem daqueles sapatinhos do pai.
Aqui está uma forma de usar o sapato mais social de um jeito moderno, jovem e elegante. Sem meias e com calça branca dobrada, que tá super em alta e é uma ótima opção para criar um look mais largado e não ficar tão sério. Lembrando, que num caso como este, é bem necessário tomar cuidado com a cor e o tipo de cinto à escolher, e se sua vontade é de usar camisa pra dentro da calça, só se for bem magrinho, porque dá uma super ressaltada na barriga.
Com calça curtinha, com a barra dobrada ou com uma bermuda, mas sempre sem meia ok? A não ser que você queira dar uma ousada no look.

Melissa para homem

Na nova coleção ‘Melissa et Circenses’ outono-inverno, a marca trouxe duas grandes novidades: a linha mini super fofa, e a masculina. Sim, masculina. São apenas duas peças, uma com um estilão sapato-social, porém com o conforto do plástico característico da marca e outro parecido com um dockside, numa versão mais jovem daqueles sapatinhos do pai.
Aqui está uma forma de usar o sapato mais social de um jeito moderno, jovem e elegante. Sem meias e com calça branca dobrada, que tá super em alta e é uma ótima opção para criar um look mais largado e não ficar tão sério. Lembrando, que num caso como este, é bem necessário tomar cuidado com a cor e o tipo de cinto à escolher, e se sua vontade é de usar camisa pra dentro da calça, só se for bem magrinho, porque dá uma super ressaltada na barriga.
Com calça curtinha, com a barra dobrada ou com uma bermuda, mas sempre sem meia ok? A não ser que você queira dar uma ousada no look.

Como usar: coturnos

Militarismo é a tendência para o inverno 2010. Uma das peças chaves para a estação, portanto, é o coturno, um tipo de bota usada por militares em combate geralmente feita de couro. Bem, já faz tempo que o acessório foi roubado dos militares e que os rockeiros começaram à usá-lo como sapatos do dia a dia, né? Na SPFW, vimos no desfile da Ellus, da Cavaleira, da Colcci e de algumas outras grifes versões customizadas do modelo. Claro, o coturno fashionista não vem, necessariamente, de couro. Ele segue mais um estilo de tênis alto, de outro tecido, com outras cores e até algumas estampas.
Antes de tudo, você precisa saber qual coturno você quer. Existem vários tamanhos do sapato. Alguns que vão até o tornozelo, outros que vão um pouco acima e uns bens altos, parecendo uma grande bota feminina (mas que, para algumas pessoas, são extremamente sexys em garotos). Depois de escolher o teu, é hora de saber usar. Coturno não vai bem com calças largas – só se você for soldado, é claro. Por que não? Porque a calça precisa ficar por dentro do sapato. É assim: vista uma calça e bote a barra para dentro. Veja se, acima do coturno, não ficou um bolo – ou uma impressão de calça Aladin. A boa do coturno é que, se ele for preto e de couro, como de costume, combina com qualquer roupa. Então você pode estar com uma skinny preta, branca, colorida, uma calça reta jeans normal que ele vai estar ótimo.

Outra opção para os amantes do coturno é usá-lo com short. Apesar da peça ser um pouco exagerada, ela combina bem com alguns modelos. Claro, não sei se a melhor opção é usar o sapato com um modelo muito curto. Não combina, sabe? Sem contar que o coturno tende a esticar a perna. Se você for baixinho, ok. Se for alto… Melhor não. Use-o com meia, sempre. E é aí que mora a graça. Se você gosta de ousar um pouco, pode apostar em uma meia diferente, listrada ou colorida, para complementar o look.

Por fim, o mais importante: amarrar ou não amarrar? Na real, coturno amarrado é só para requinho. Use o sapato meio frouxo, dando a impressão de coisa largada. Assim, a calça fica melhor dentro do coturno, a perna fica mais ‘larga’ e você consegue se movimentar com facilidade.

por Caio Caprioli

Como usar: coturnos

Militarismo é a tendência para o inverno 2010. Uma das peças chaves para a estação, portanto, é o coturno, um tipo de bota usada por militares em combate geralmente feita de couro. Bem, já faz tempo que o acessório foi roubado dos militares e que os rockeiros começaram à usá-lo como sapatos do dia a dia, né? Na SPFW, vimos no desfile da Ellus, da Cavaleira, da Colcci e de algumas outras grifes versões customizadas do modelo. Claro, o coturno fashionista não vem, necessariamente, de couro. Ele segue mais um estilo de tênis alto, de outro tecido, com outras cores e até algumas estampas.
Antes de tudo, você precisa saber qual coturno você quer. Existem vários tamanhos do sapato. Alguns que vão até o tornozelo, outros que vão um pouco acima e uns bens altos, parecendo uma grande bota feminina (mas que, para algumas pessoas, são extremamente sexys em garotos). Depois de escolher o teu, é hora de saber usar. Coturno não vai bem com calças largas – só se você for soldado, é claro. Por que não? Porque a calça precisa ficar por dentro do sapato. É assim: vista uma calça e bote a barra para dentro. Veja se, acima do coturno, não ficou um bolo – ou uma impressão de calça Aladin. A boa do coturno é que, se ele for preto e de couro, como de costume, combina com qualquer roupa. Então você pode estar com uma skinny preta, branca, colorida, uma calça reta jeans normal que ele vai estar ótimo.

Outra opção para os amantes do coturno é usá-lo com short. Apesar da peça ser um pouco exagerada, ela combina bem com alguns modelos. Claro, não sei se a melhor opção é usar o sapato com um modelo muito curto. Não combina, sabe? Sem contar que o coturno tende a esticar a perna. Se você for baixinho, ok. Se for alto… Melhor não. Use-o com meia, sempre. E é aí que mora a graça. Se você gosta de ousar um pouco, pode apostar em uma meia diferente, listrada ou colorida, para complementar o look.

Por fim, o mais importante: amarrar ou não amarrar? Na real, coturno amarrado é só para requinho. Use o sapato meio frouxo, dando a impressão de coisa largada. Assim, a calça fica melhor dentro do coturno, a perna fica mais ‘larga’ e você consegue se movimentar com facilidade.

por Caio Caprioli

Relógios e óculos fluorescentes lideram acessórios coloridos do verão

Eles podem ser usados com visual básico ou numa mistura de cores.
A aquarela tem pink, azul turqueza, amarelo ovo e vermelho sangue.
 
Brilhantes, fluorescentes, quase acesos. Foi dessa maneira ‘cheguei’ que os óculos e relógios supercoloridos invadiram a moda neste verão 2010. Pink, azul turqueza, amarelo ovo, vermelho sangue ou verde alface, eles incrementam visuais básicos ou compõem looks mais, digamos, animados.
“O colorido veio de uma onda hipster, em Nova Iorque, e new wave, em Londres, que o brasileiro acabou traduzindo aqui em cores fortes. Para os acessórios, veio numa época em que o nude estava em alta e o visual foi complementado com a cor. Antes era tudo só preto e marrom, aí começou o colorido e agora deu uma exagerada”, diz Charles Pinho, da Chilli Beans, que aposta que as cores com texturas serão as próximas a entrarem na moda.
Como usar
Chique ou descolado, nos momentos de lazer ou no trabalho, é preciso ter alguns cuidados na hora de aderir. “Tudo o que for usado muito perto do rosto requer cuidado. É preciso levar em conta sua coloração pessoal, de pele e cabelo. Peles neutras, por exemplo, ficam melhor com cores mais escurecidas e podem ficar pálidas, amareladas com um amarelo ou um verde limão”, alerta a consultora de moda Cecília Lima.
Para os mais conservadores, começar pelos acessórios é uma maneira de seguir a tendência sem radicalizar. “Você pode usar um jeans e uma camiseta, um preto ou qualquer coisa básica, e os acessórios com as cores gritando”, dá a dica Cecília.
Combinando cores
“Tem gente que não vai comprar um vestido pink, mas que vai começar pelos acessórios, que são mais versáteis”, explica Kátia Botelho, da Euro Relógios. Uma solução para os mais discretos, mas não menos antenados, ensina ela, é optar por relógios em que só a pulseira é colorida.
Como não é todo mundo que é básico, também dá para apostar numa cartela de cores na hora de se produzir, mas, claro, com bom senso. “Às vezes você tem peças lindas, mas que, juntas, podem ficar catastróficas. Mas, para o casamento de cores, tem que ter cuidado e agüentar a pressão de ser o foco das atenções. Se você for dar uma palestra, por exemplo, a cor pode superar o que você está dizendo”, avisa Cecília.

por Alícia Uchôa

Do G1, no Rio