Gisele Bündchen desfila com transparência para Balenciaga

Foto: Getty Images
Gisele Bündchen encerrou o desfile da Balenciaga


Parece que Gisele Bündchen gostou de voltar a pisar passarelas internacionais. Depois de desfilar no começo do mês em Nova York, para divulgar o evento Fashion Night Out, a brasileira encerrou a apresentação da grife Balenciaga em Paris. Outras tops também participaram do desfile, como Miranda Kerr, grávida de seu primeiro filho com o ator Orlando Bloom, Amber Valetta, Freja Beha e Stella Tennant.
Gisele, de rabo-de-cavalo, entrou com uma roupa branca de corte assimétrico e saia transparente, com material plastificado. A blusa tinha gola arrematada por uma fivela. Nos pés, sapato preto fechado e baixo. A coleção verão 2011, desenhada por Nicolas Ghesquière, apostou nos materiais plastificados em vestidos e blusas, com modelagem mais larguinha. Nas estampas, tanto flores em azul e rosa ou xadrez tradicionais em tamanhos ampliados, como o do vestido de Miranda Kerr, ou coloridos.
A apresentação foi prestigiada pro celebridades como Catherine Deneuve, Salma Hayek, Charlotte Gainsbourg, garota-propaganda do perfume da grife, e Orlando Bloom, que prestigiou na primeira fila a entrada de sua mulher na passarela.
Por ROSÂNGELA ESPINOSSI


Faça você mesma: estampando em casa

Estampar em casa é um sonho por um milhão de motivos. Primeiro que você pode customizar uma peça lisa e adicionar um toque de interessância que é só seu, exclusivo e exatamente do seu jeito. Segundo que dá para reproduzir aquela estampa que você mesma fez ou viu na revista e que não acha de jeito nenhum. Dá para pegar a estampa de uma peça e usar em outra… Um mundo de possibilidades. A ideia desse post é dar uma luz para quem quer fazer essas pequenas customizações caseiras de uma forma bem feitinha.

Método transfer e ferro quente
O jeito mais fácil de estampar em casa envolve papel transfer e ferro bem quente (pelando mesmo). O transfer é um papelzinho que você compra em papelarias, tipo a Kalunga. Você pode desenhar a sua estampa em cima do papel, colocar sobre a peça e passar o ferro. O desenho precisa ser espelhado, ou seja, na posição inversa da que você quer que apareça, tipo quando a gente escreve no espelho. Se habilidades artísticas passam longe da sua pessoa, vale decalcar ou mesmo imprimir a imagem no transfer em vez de desenhar.
Caso escolha imprimir, é preciso ter um cuidadinho: se usar impressora a laser a estampa tem uma durabilidade maior. Se usar impressora tipo jato de tinta, dura menos. As meninas das fotos usaram o método do transfer para fazer peças inspiradas na Miu Miu!
Essa técnica funciona super bem com imagens localizadas, tipo a estampa da Miu Miu. Mas, se a sua ideia é imprimir uma imagem única tomando uma grande extensão da peça, saiba que não vai ficar tão legal e o resultado pode ser uma vibe metaleiro do colegial ou fã clube da Menina Isabela. Isso porque a desvantagem do transfer é que ele deixa o ponto onde foi aplicado um pouco durinho. Quando usado para estampar pequenas áreas fica lindo, mas uma fotona imensa bem no meio da camiseta não fica exatamente chique quando impressa dessa forma.
Método canetinha para tecido
Sabe aquelas canetinhas para tecido que as mães às vezes usam para identificar qual peça é de cada filho? Você pode usá-las para fazer desenhos nas roupas. De novo, se a pessoa se garante no desenho, pode fazer à mão livre, mas as mortais também se viram. Pegue uma superfície durinha, como uma radiografia, por exemplo, decalque sua estampa em cima, corte com estilete e use como forma para pintar só o preenchimento.
Stêncil manual
O stêncil manual usa o mesmo princípio da canetinha: você deve fazer uma tela para servir como forma, mas, em vez de usar a canetinha, vai usar tinta spray ou tinta para tecido, ambas vendidas em lojinha para artesanato. Pega a tinta, passa no rolinho, aplica no tecido. Simples assim. Cuidado para não colocar tinta em excesso, melhor passar um pouquinho, esperar secar, passar outro pouquinho e esperar secar, até ficar do jeito que você quer.
Viu só que não é difícil? Se estiver insegura, testa antes em uma camisetona velha e se joga. O que não vale é aposentar uma peça antes do tempo só porque cansou da cara dela. Muda de cara, ué. Se Larissa Riquelme pode, suas roupas também podem.
Por: Juliana

Semanas de moda internacionais apontam para um comprimento médio das saias

Depois das saias tulipas, evasê, bandage e longas, outro modelo está por vir, conforme a cartilha das semanas de moda que estão rolando no Hemisfério Norte. Confirmando a pegada 70’s do verão 2011, as saias de comprimento médio (mídi) prometem conquistar as moças, fazendo contraponto aos microcomprimentos. Sucesso nos anos 70 justamente por ser uma alternativa às famosas mínis, a saia logo abaixo dos joelhos pode ser charmosa e elegante. Estilistas como Diane Von Furstenberg , Chadwick Bell e Jill Stuart apostaram no comprimento. Só atenção! Elas não são nada fáceis de usar.

As saias médias tendem a achatar a silhueta. Portanto, é preciso muito cuidado na hora de compor o visual.

A composição de Diane Von Furstenberg, por exemplo, é perigosa pela mescla vibrante de cores, só indicada para mulheres longilíneas. Essas podem investir em tons contrastantes e também em modelagens opostas, como acontece no look ao lado, com blusa ao estilo bata, soltinha, e saia de corte seco, juntinha ao corpo. 
O modelo de Jill Stuart também pede cintura e quadris esguios. Para mulheres mais cheinhas, o caminho é coordenar este estilo de peça a blusas, camisas, camisetas mais sequinhas e de pouco detalhes. Ah! Salto alto sempre. Ele é parceiro na hora de alongar o visual.
Média, mas um pouquinho acima do joelho, a saia de Chadwick Bell compõem um look perfeito para disfarçar volumes indesejados. Por quê? Anote aí: cores assemelhadas alongam, tecidos encorpados disfarçam gordurinhas, assim como os cortes secos.
Para quem tem uns quilinhos a mais ou apenas quadril largo, a saída são as saias em A e cores escuras. O volume controlado do tecido e o corte afastado do corpo disfarçam as formas. O modelo Preen by Thornton Bregazzi é um bom exemplo. Mas cuidado com a cintura alta, ela pode achatar ainda mais o corpo além de marcar pneuzinhos.

Por Karol Denardin

Alessandra Ambrosio aparece só de calcinha em catálogo de grife

Top brasileira é uma das angels da “Victoria’s Secret”

Alessandra Ambrosio aparece de lingerie no novo catálogo da “Victoria’s Secret”

Alessandra Ambrosio exibe as curvas perfeitas no novo catálogo da “Victoria’s Secret”. Nas imagens, divulgadas nesta quinta-feira (30) pelo site “Popoholic”, a modelo brasileira, que é uma das angels da grife aparece com lingeries de diversas cores.
Em uma das imagens, a top, que tem uma filha, Anja Louise, exibe o corpão apenas com uma calcinha estampada. Rendas, cores vibrantes e estampas são os hits da coleção.
A top brasileira é uma das angels da grife

Alessandra Ambrosio exibe o corpão em lingeries provocantes

fonte: QUEM ON LINE

Pierre Cardin volta à semana de moda parisiense

Depois de um tempo longe das passarelas, Pierre Cardin voltou à semana de moda parisiense – que começou hoje e vai até o dia 6 de outubro. Aos 88 anos, o estilista mostrou que tem sede de viver e desfilar. A apresentação aconteceu hoje de manhã, no espaço Pierre Cardin, próximo ao Palácio do Eliseu.
Ao contrário dos desfiles comuns, que duram no máximo 15 minutos, Cardin preferiu fazer uma apresentação mais longa (quase 40 minutos) e mostrar as quatro estações de uma só vez. Em cada uma delas, estavam presentes os famosos códigos de Pierre Cardin.
Para as mulheres o estilista propôs vestidinhos com inspiração nos anos 60 e 80, macacões com pegada de ficção científica, chapéus enormes e assimétricos, bolsas e acessórios com formato 
geométrico, sapatilhas de plástico bicolores (pareciam Melissas), trench coats cintilantes e meias-calças coloridas.

Nas propostas masculinas também estavam os códigos de Cardin. Paletós de ombros largos e estruturados, combinações por blocos de cores, macacões com pegada de ficção científica, trench coats cintilantes e blazers de veludo.
Assista ao vídeo e veja como foi o desfile!
Por Alline Cury