Semana de Moda de Londres troca a loucura pela sofisticação


A Semana de Moda de Londres encerrou, esta terça-feira (21), uma edição considerada menos revolucionária, porém mais sofisticada pelos especialistas, marcada ainda por um novo espaço para jovens talentos emergentes, um pouco de nudez e alguns tropeços.

Modelos apresentam coleção com inspiração “motoqueira” para o Verão 2011 da Burberry

O couro e as cores vivas, inclusive fluorescentes, foram duas das grandes tendências presentes nas 60 coleções da primavera-verão 2011 apresentadas desde a sexta-feira passada nas passarelas londrinas que, segundo os organizadores, continuam melhorando a cada temporada.
A antecipação do desfile da Burberry Prorsum, de inspiração claramente “motoqueira”, foi o prato forte do quinto dia deste evento que luta por competir com os mais influentes e lucrativos de Nova York, Milão e Paris.
Londres é “mais pertinente”, explicou a redatora em chefe da edição britânica da revista Vogue, Alejandra Shulman. Para ela, a semana londrina, “é muito polida, muito sofisticada. Perdeu esse sentimento de loucura, e os desenhos são inovadores”, disse.
A proposta apresentada por Christopher Bayley, estilista da Burberry, foi dominada por justíssimas calças de couro, algumas com detalhes acolchoados e tachas, outros com estampas de serpente.
As silhuetas se suavizaram com vestidos fluidos curtos de seda ou gaze, adornados com rendas e drapeados, e bolsos e cintos em cores vivas, variando do amarelo ao azul turquesa.
O couro dominou também o desfile matutino de Marios Schwab, que combinou casacos, saias e calças de pele com peças inspiradas em lingerie para criar um ‘look’ totalmente roqueiro.
Os talentos emergentes jovens, como Peter Pilotto e Maria Garchvogel, reunidos na seção NewGen, estrearam um novo cenário sob um imponente terminal em desuso da estação ferroviária Waterloo.
Três de seus representantes – Holly Fulton, David Koma e Michael van der Ham – saltaram este ano para o programa oficial, no qual se destacou a volta de Giles Deacon, diretor artístico da ‘maison’ Ungaro que, após dois anos em Paris, apresentou uma coleção divertida em cores vivas.
Paul Smith buscou inspiração no guarda-roupa masculino para sua coleção feminina
Entre os veteranos, Paul Costelloe inclinou-se para o prateado, em vestidos curtos muito estruturados. E os normalmente inovadores Paul Smith e Vivienne Westwood optaram por propostas mais conservadoras, no caso do primeiro de inspiração claramente masculina.
O mais provocador, sem dúvida, foi Charlie Le Mindu, que levou para a passarela modelos vestindo apenas botas e chapéu. O jovem estilista francês explicou, no entanto, que fez isto apenas porque “não queria que nada desviasse a atenção”… dos chapéus.
fonte: UOL ESTILO

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: